quarta-feira, 29 de julho de 2015

Alguns passos para uma boa observação do céu

Stargaze. (Fonte: Wikimedia Commons.)
A observação do céu é uma atividade muito prazerosa, que nos permite ficar horas procurando objetos e fenômenos interessantes de se ver. Com custo praticamente zero, basta um céu limpo e uma noite escura que já nos sentimos tentados a ir ao quintal e olhar para cima. Porém, alguns passos simples podem melhorar a experiência, oferecendo ao observador uma recompensa muito maior.

Passo 1: estabeleça objetivos

Simplesmente olhar para cima e observar tudo o que nos chama a atenção já é algo bem legal de se fazer. Por outro lado, quando você planeja essa atividade e estabelece alguns objetivos para sua observação, o resultado é muito mais satisfatório.
Algumas noites podem oferecer algumas atrações especiais para observar: uma chuva de meteoros, um eclipse, uma conjunção, uma aproximação de um planeta que o torna mais brilhante etc. Assim, é legal, antes de sair, preparar uma lista daquilo que você quer observar. Existem diversos aplicativos que podem ajudar você nessa tarefa. Ao criar uma simulação do céu numa certa data e horário para sua localização, você pode descobrir algumas coisas interessantes para procurar quando sair de casa.
Vejamos algumas sugestões:
Stellarium: planetário virtual gratuito disponível para as mais diferentes plataformas, tanto computadores pessoais como dispositivos móveis. Este software é, de longe, minha recomendação, especialmente se você não quiser comprar um programa com o mesmo objetivo.
Star Walk e Star Walk 2: também planetários virtuais, porém exclusivos para dispositivos móveis. Acredito que sejam os mais bonitos entre os aplicativos com essa finalidade, e estão disponíveis tanto para iOS quanto para Android. São aplicativos pagos. Há também uma versão Kids, desenhado como um cartum, riquíssimo e adequado para introduzir as crianças no mundo da Astronomia.
Starry Night: planetário virtual para profissionais da astronomia e, consequentemente, mais caro. Apresenta, porém, bancos de dados muito mais completos que aqueles oferecidos por similares gratuitos, com uma riqueza de detalhes e ferramentas incríveis. Uso a versão Pro (US$ 149,95), mas existe a versão Enthusiast (US$ 79,95), com menos recursos, destinada à astronomia amadora. Disponível para Mac e PC.
SkySafari: aplicativo mobile desenvolvido pela mesma produtora do Starry Night. É, sem sombra de dúvidas, o mais completo planetário virtual para dispositivos móveis, e está disponível para iOS e Android. Há também diferentes versões: uso a versão Pro (US$ 39,99), que tem quase 1GB de tamanho, 27 milhões de estrelas e possibilidade de controle de telescópios, mas também estão disponíveis duas outras versões, a básica (US$ 2,99), com 120 mil estrelas e sem controle de telescópios, e a Plus (US$ 14,99), com 2,6 milhões de estrelas e com controle de telescópios.
Um aspecto interessante dos aplicativos para dispositivos móveis: ao apontar a câmera do gadget para o céu, você passa a contar com o recurso de realidade aumentada, facilitando a identificação e a orientação.

Passo 2: escolha uma data

Além da óbvia necessidade de um céu limpo, sem nuvens, é fundamental escolher uma data em que sua observação seja favorecida. Quando queremos, por exemplo, olhar para objetos muito distantes, que costumam ter baixo brilho, tais como galáxias e nebulosas, precisamos, necessariamente, fugir da Lua cheia. O brilho de nosso satélite atrapalha, e muito, a observação dos objetos menos brilhantes.
A escolha da data também é importante porque alguns objetos não aparecem todas as noites. E aí está a grande utilidade dos planetários virtuais. Suponha que você queira observar Saturno. O software mostrará se isso será possível ou, se em determinada data, o senhor dos anéis estará o tempo todo abaixo da linha do horizonte. Você também não quer sair para observar Júpiter e depois descobrir que ele se pôs às 18h!

Passo 3: escolha um lugar

É claro que você pode simplesmente dirigir-se ao seu quintal (se tiver um) e fazer sua observação. Contudo, isso nem sempre nos proporciona a melhor experiência. O ideal é procurar um lugar afastado da poluição luminosa das grandes cidades e, se possível, sem muitas árvores e edifícios altos nas redondezas. Quanto maior a porção do céu que está visível, maiores as chances de boas observações.

Passo 4: proteja-se do frio

Mesmo que você more numa região quente, a temperatura costuma cair bastante à noite, principalmente de madrugada. E não nos esqueçamos que nos mexemos muito pouco durante uma noite de observação. Por essa razão, agasalhe-se bem e sempre leve um casaco, um cachecol, um gorro de reserva. Ah! E consulte as previsões meteorológicas antes de partir para o local escolhido. Pessoalmente, costumo levar comigo também uma garrafa com café ou chocolate quente para enfrentar o friozinho noturno.

Passo 5: chegue cedo

Não deixe para chegar ao local escolhido quando a escuridão já se estabeleceu. O ideal é estar lá antes do pôr do Sol, para que você possa encontrar uma boa posição e arrumar suas coisas. Chegar já com escuridão é como chegar ao cinema com o filme já iniciado.

Passo 6: use somente luz vermelha

No local da observação, uma vez estabelecida a escuridão, use somente fontes de luz vermelhas. Isso permite preservar sua visão noturna, já que outras luzes (em especial a luz branca) vão produzir a contração de suas pupilas, dificultando a visualização dos objetos menos brilhantes. Caso leve um computador ou dispositivo móvel, coloque-o também em modo noturno; assim, a luz irradiada pela tela do equipamento não atrapalhará sua atividade.

Passo 7: pense no seu conforto

Imagine ficar algumas horas no frio, em pé, olhando para cima. Não rola! Faça isso uma noite e passe o dia seguinte com dores bem incômodas. Para sua atividade de observação, vale levar uma cadeira dobrável, do tipo daquelas de praia, ou beira de piscina, cuja inclinação pode ser ajustada. Caso leve equipamentos ou cartas celestes, providencie também uma mesa dobrável, como as de camping. Dependendo do local da observação, é importante também levar um repelente, já que facilmente podemos nos tornar uma apetitosa refeição para os mosquitos (quem já passou a noite no Pantanal Sul-mato-grossense, ao ar livre, sabe do que estou falando). Também recomendo que você prepare uma boa playlist para ouvir durante a atividade. Céu bonito e boa música combinam muito bem!
Além de tudo isso, vale a pena comprar livros e revistas sobre o tema. Investir em um bom par de binóculos também é bem-vindo. Telescópios são equipamentos que devem ser pensados somente depois de adquirir uma boa experiência, já que são completamente inúteis quando o observador não sabe operá-los.
Acredite: a observação a olho nu é tão prazerosa quanto aquela feita com equipamentos. Quando você começa a reconhecer as estrelas e as constelações, sentirá uma satisfação incrível. Faça e conte-nos sua experiência nos comentários deste artigo! Será legal ter você como um novo membro do clube dos apaixonados pelo céu!